Artigo – Escolha do encordoamento correto

Por: Voila Marques

Texto retirado do site Cifraclub (postagem e tradução de Matheus Strad).

Esse texto não é específico para contrabaixo. É para cordas (violino, viola, violoncelo e contrabaixo acústico) em geral, mas é muito útil para nós contrabaixistas.

“Freqüentemente instrumentistas se questionam sobre que tipo da corda devem usar em seu instrumento. A escolha da corda é ditada pelo estilo de tocar do instrumentista e pelas qualidades individuais do instrumento.

A melhor maneira de escolher a combinação certa das cordas para um instrumento deve considerar que som que o instrumentista ouve no instrumento, o tipo de cordas atualmente no instrumento, e o som que o instrumentista quer. Por exemplo, mudando uma ou mais cordas pode melhorar ou mudar parte do equilíbrio do instrumento. Entretanto, uma corda que trabalhe bem em um instrumento pode não produzir o mesmo som em outro, porque suas qualidades requerem a interação entre as características individuais do instrumento e a maneira de tocar do instrumentista.

Há basicamente três tipos de cordas: cordas inteiramente metálicas, cordas de núcleo sintético e cordas de núcleo de tripa (cordas de tripa pura são usadas raramente em instrumentos modernos e não são recomendadas). Cordas de tripa pura são geralmente usadas em instrumentos barrocos, para execução de peças do período.”

“Embora a corda possa parecer estar em boas condições, tocá-las por meses excedentes, faz com que percam gradualmente seu brilhantismo e desempenho. Investir em cordas novas significa que seu instrumento produzirá consistentemente seu melhor som.

Quando você necessitar mudar um jogo inteiro de cordas, não remova todas as velhas em uma vez. Você perderá a colocação apropriada do cavalete, e a falta da tensão pode fazer com que a alma caia. Remova somente uma corda de cada vez, mantendo todas as outras até o próximo passo. Aperte a corda o suficiente para não enfraquecê-la. Enfie a corda através do furo na cravelha, e enrole-a uniformemente do centro da cravelha até imediatamente antes da borda da caixa de cravelhas. Se uma corda nova quebrar após a instalação, examine onde a corda quebrou. Seu instrumento pode ter desenvolvido um ponto áspero na cravelha, na pestana, ou nos afinadores. Ou, se o enrolamento da corda for demasiado perto da parede da caixa da cravelha, pode ter sido sujeito a um atrito suficiente para rompê-la.

Lubrificar os sulcos da pestana e no cavalete com um lápis nº 2 reduzirá a possibilidade da ruptura da corda. Se uma cravelha se mantiver deslizando, fazendo com que a corda saia da afinação, remova a cravelha, e o tente pôr um pouquinho de giz velho de escola sobre as partes da cravelha que são brilhantes. Isto criará alguma tração. Se a cravelha mesmo assim ainda deslizar, pode não estar encaixada corretamente, e possivelmente necessitará ser substituída. Se uma cravelha estiver demasiadamente apertada, tente passar um pouco de sabão de barra seco ou um composto especial pra cravelhas, que está comercialmente disponível. Outra vez, se isto for ineficaz, leve o instrumento para ser examinado por um profissional. Tenha em consciência que a umidade tem um impacto significativo nas cravelhas. Ela pode apenas ser uma dor de cabeça sazonal que necessite ser tratada alternadamente dependendo da época do ano.”

[Voltar]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s